Manipula-Dores!


Continuo tendo contato no consultório com tragédias que ocorrem nas igrejas. Até mim vêm pessoas destroçadas pelas ações de homens, travestidos de pastores e/ou líderes, que com um discurso manipulador e cruel, envolvem as suas ingênuas ovelhas para roubar-lhes as poucas economias ou para conseguirem algum intento sórdido.

Tenho duas história relativamente recentes para contar que ilustram esta realidade. Na primeira a 'líder' se apossou de uma pequena quantia de uma paciente minha que trabalha como doméstica, era o dinheiro que inicialmente ela pretendia usar para dar a entrada para financiar sua casinha. Era um valor considerável para ela que recebia um salário baixo. Você pode imaginar o estado depressivo da mesma, a confusão em que estava.  Outra “vítima” desenvolveu um problema depressivo ainda mais grave. Vendeu um apartamento e doou para a igreja. Confusa e deprimida, não para de chorar e de culpar-se, porque esse apartamento iria ser a morada de sua filha, atualmente gestante no sétimo mês.  Os líderes de sua igreja disseram: “Você tem provas que nos doou?”, “Pode provar isso?”. Ora, muitos ali sabem! Mas os demais membros mantêm o pacto de silêncio e rejeitam sua presença no âmbito da igreja.

Eu escreveria muitos outros relatos semelhantes, com pessoas arrasadas por terem sofrido abuso financeiro, abuso psíquico e abuso espiritual.

Esses estragos me atingem também. Fica difícil, para mim, crer em comunhão dos irmãos. Temo, por exemplo, indicar uma igreja a um novo convertido. Eu simplesmente não confio, mas apesar de tudo, apesar da decepção e das perdas, das quais não se pode avaliar a extensão, eu nunca deixo de dizer que Jesus merece todo crédito. Ele é puro e bom. Ainda que todos falhem, Jesus jamais nos decepcionará.

Talvez eu só esteja desabafando, talvez não haja solução para isso; talvez o assunto deva ser melhor combatido: enfrentando os monstros e o lado podre que se oculta, ao invés de estimular a ingenuidade; talvez os membros de uma igreja devam aprender a questionar, a não aceitar o que é empurrado pelas lideranças, seja quem for, sob o pretexto que for; talvez a culpa de tudo isso seja esse estímulo à passividade que é entendido por muitos como dons de paciência, amor e como meta a ser atingida, esquecendo-nos dos servos combativos de todas as épocas que deram sua contribuição com sinceridade.

Minha formação exige espírito crítico. Meu caráter é combativo e não pretendo modificá-lo, pois o considero uma de minhas melhores características, não me importando o que pensem os demais a respeito. Já ultrapassei há muito tempo a necessidade de aprovação das pessoas ou o aval delas para isso ou aquilo. Necessito sim, mudar os defeitos que reconheço como defeitos e para os quais necessito da Graça de Deus.

O que sei é que nem morte, nem vida, nem anjos, nem principados, nem coisas do presente, nem do porvir, nem poderes, nem altura, nem profundidade, nem qualquer outra criatura poderá nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.


Escrito por: Dra. Rita Cytryn

Palavra do Pr. Denilson: Rita Cytryn é médica que atua na área de saúde emocional. Ela é neuropsiquiatra, psicoterapeuta e, principalmente, serva do Senhor com um profundo testemunho de conversão. Tem uma visão humanista da medicina, em que valoriza profundamente a relação com seus pacientes. É amiga e parceira deste ministério desde há muito e é a profissional que indico quando há a necessidade de atuação médica em situações como depressão, angústia, esquizofrenia, compulsões, sexualidade e vícios. O seu blog é o http://ritacytryn.blogspot.com.br que eu recomendo a todos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

E você o que acha? Deixe a sua opinião!